Buscar

AgroRound: área de agropecuária quintuplicou no Cerrado brasileiro, com destaque para o Matopiba

Por Forbes Brasil

14/09/2021




O Cerrado, com 198 milhões de hectares, é o segundo maior bioma brasileiro. Um novo levantamento do MapBiomas, criado pelo SEEG/OC (Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa do Observatório do Clima), divulgado na sexta (10), mostra que a agricultura cresceu 460% na região desde 1985. Eram 4 milhões de hectares, ante 23 milhões de hectares destinados à atividade em 2020, um crescimento de 5,6 vezes.


A agricultura ocupa 13,2% da área, mas é a pastagem que representa o principal tipo de uso antrópico do bioma, ocupando 23,7%. De 1985 a 2020, a área de pastagem passou de 38 milhões para 47 milhões de hectares, um aumento de quase 23%. Considerando toda a expansão agropecuária no bioma, com áreas de floresta plantada, agricultura, pastagem e áreas mistas houve uma alta de 42,5% em relação a 1985.


“Os dados mostram claramente que há um processo acelerado de conversão de áreas naturais no Matopiba, tal como foi observado anteriormente em outros estados do Cerrado”, explica a coordenadora científica do MapBiomas, Julia Shimbo, pesquisadora do IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia). No Matopiba, região que cobre Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, a área de agropecuária mais que dobrou entre 1985 e 2020.


Por estados, os maiores avanços ocorreram em Mato Grosso, que duplicou a área (de 6,5 para 13,3 milhões de hectares), Goiás (de 17,1 para 21,1 milhões de hectares) e Mato Grosso do Sul (de 13,1 para 16,5 milhões de hectares). O monitoramento também mostra que 54,5% de seu território do bioma ainda é coberto por vegetação nativa, sendo que formações dos tipos savana (30,3%) e floresta (14,3%) são predominantes. A formação campestre representa 7,3% do bioma.