Buscar

Desempenho das exportações de carne bovina estimula produtividade, diz Imac

Em Mato Grosso, o aumento da produtividade da carne foi impulsionada pelo crescimento do mercado internacional, diz entidade do setor

Por Agora MT

14/12/2021


Foto: Divulgação


Em 20 anos, a produtividade da carne bovina em Mato Grosso quase triplicou por hectare (ha), passando de 24,3 kg/ha em 2000 para 72,5 kg/ha em 2019, segundo dados do Instituto Mato-grossense da Carne (Imac). A produtividade brasileira há 20 anos era de 25,44 kg/ha, metade dos 50,65 kg/ha registrados no final de 2019.


Ao avaliar o volume das exportações de carne bovina, o diretor de operações do Imac, Bruno Jesus de Andrade, identificou que os índices de produtividade crescentes da pecuária mato-grossense estão diretamente relacionados ao crescimento do mercado internacional do setor. E mais, uma vez tendo um patamar de maior qualidade, de acordo com as exigências de mercado, o índice permanece em alta apesar da redução no volume de exportação diante da saída dos chineses do mercado.


“Nos anos 2000, Mato Grosso exportou mais de 9,6 mil toneladas e o Brasil quase 189 mil de toneladas. Enquanto, em 2020, o estado chegou a 381,3 mil toneladas exportadas e o Brasil atingiu 1,8 milhão de toneladas. A curva de crescimento das exportações coincide com a evolução da produtividade, o mercado atua como um fomentador de investimentos em tecnologia e isso se reflete na qualidade e na produtividade”, explica Andrade.


Exportação de carne em 2021


Em Mato Grosso, a exportação de carne somou até novembro US$ 1,6 bilhões referentes ao envio de 336,1 mil toneladas em 11 meses, 10% mais que o mesmo período em 2020. Em contrapartida, o mês de novembro concentra a maior redução no volume exportado até agora, são pouco mais de 19,2 mil toneladas. Em 2020, a comercialização para o mercado internacional no mesmo mês foi quase o dobro, 40,3 mil toneladas.


Financeiramente, as exportações do setor tiveram uma redução de 45%, ou mais de US$ 75,329 milhões se comparado com o ano passado: em novembro de 2020, US$ 166,3 milhões, já em novembro de 2021, US$ 90 milhões.


As exportações nacionais registraram uma queda de 7% até novembro deste ano. Foram comercializadas 1,716 milhão de toneladas, o equivalente a US$ 8,5 bilhões. O volume em novembro, 105,2 mil toneladas, expressa uma redução acentuada com a saída da China do mercado: são cerca de 90 mil toneladas a menos se comparado com o mesmo período do ano passado. Em 2020, o Brasil atingiu um volume recorde com a exportação de 1,804 milhão de toneladas ou US$ 7,7 bilhões, ou seja, o incremento no valor comercializado até o mês passado foi de 10%.


Neste cenário de incertezas, o pecuarista mato-grossense segue o caminho da intensificação da produção, que tem proporcionado os melhores resultados na relação custo/benefício. “Os investimentos que o produtor tem feito neste sentido estão sendo revertidos em ganhos de produtividade. Por isso, o setor não vai voltar atrás e deve ampliar o processo de intensificação do rebanho pensando não só na rentabilidade, mas também na questão ambiental”, reforçou o diretor de operações do Imac, lembrando que a redução do período de abate equivale a índices menores de gás metano na atmosfera.