top of page
Buscar

Desemprego cai a 7,5% no trimestre até abril, menor nível em 10 anos para período

No trimestre encerrado em janeiro de 2024, o percentual estava em 7,6%. Há um ano, a taxa estava em 8,5%

29/05/2024 às 09:14 | Atualizado 29/05/2024 às 10:06


Jovens buscam oportunidades de emprego no centro de São Paulo24/04/2019REUTERS/Amanda Perobelli


O Brasil registrou uma taxa de desemprego de 7,5% nos três meses encerrados em abril, em um resultado abaixo do esperado que marcou o nível mais baixo de desocupação para esse período em 10 anos, em um mercado de trabalho que segue aquecido.

Os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados nesta quarta-feira mostram que houve recuo de 0,1 ponto percentual em relação à taxa de 7,6% no trimestre imediatamente anterior, até janeiro. No mesmo período do ano passado a taxa foi de 8,5%.

O resultado do trimestre até abril marca a menor taxa de desocupação para esse período desde 2014, quando a taxa estava em 7,2%.

“Isso revela a manutenção da tendência de redução desse indicador, que vem sendo observada desde 2023”, destacou Adriana Beringuy, coordenadora da pesquisa.

A expectativa em pesquisa da Reuters para a taxa na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) era de 7,7%.

De forma geral, especialistas avaliam que o mercado de trabalho brasileiro deve seguir aquecido com uma taxa de desemprego se acomodando em níveis mais baixos.

No entanto, esse cenário provoca alertas em relação à inflação e sua convergência para a meta, principalmente no que diz respeito ao aumento dos preços de serviços.

Nos três meses até abril, o número de desempregados era de 8,213 milhões, uma queda de 0,9% em relação ao trimestre até janeiro e de 9,7% sobre o trimestre até abril de 2023.

“A estabilização da desocupação se deve, principalmente, à redução das perdas do comércio, que observamos no primeiro trimestre, e ao retorno da ocupação no segmento da educação básica pública no ensino fundamental”, explicou Beringuy.

Já o total de ocupados aumentou 0,2% na comparação com os três meses até janeiro e 2,8% ante o mesmo período do ano passado, somando 100,804 milhões de pessoas.

Os trabalhadores com carteira assinada no setor privado eram 38,188 milhões no trimestre até abril, o que representa uma alta de 0,6% ante os três meses até janeiro e um recorde da série histórica da pesquisa, iniciada em 2012. O contingente dos que não tinham carteira aumentou 0,7% nessa base de comparação, atingindo 13,538 milhões, também recorde.

“A expansão da ocupação, nos últimos trimestres, vem ocorrendo por meio dos empregados, que superaram outras formas de inserção, como a dos trabalhadores por conta própria e os empregadores. O conjunto dos empregados no setor privado, com ou sem a carteira assinada, é o que mais tem contribuído para o crescimento da população ocupada no país”, disse Beringuy

No período, o rendimento médio real das pessoas ocupadas no trimestre encerrado em abril foi de 3.151 reais, alta de 0,8% em relação ao trimestre imediatamente anterior e de 4,7% sobre o mesmo período de 2023.

Com isso, a massa de rendimentos, que é a soma das remunerações de todos os trabalhadores do país, chegou a 313,1 bilhões de reais, novo recorde da série histórica.

Komentarze


bottom of page