Buscar

Em setembro, Índice Nacional da Construção Civil foi de 0,88%

Por Agência IBGE Notícias

13/10/2021


Foto: Perfil Brasil


O Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi) foi de 0,88% em setembro, a menor taxa de 2021 e 0,11 ponto percentual abaixo da taxa do mês anterior (0,99%).


Houve altas em todas as regiões e a mais intensa foi no Centro Oeste (2,03%), devido ao aumento na parcela dos materiais em todos os estados e ao acordo coletivo em Goiás.

O acumulado nos últimos doze meses foi de 22,06%, pouco abaixo dos 22,74% registrados nos doze meses imediatamente anteriores. Já o acumulado no ano foi de 15,62%. Em setembro de 2020 o índice havia sido de 1,44%.


O custo nacional da construção, por metro quadrado, passou de R$ 1.463,11 em agosto para R$ 1.475,96 em setembro, sendo R$ 877,35 relativos aos materiais e R$ 598,61 à mão de obra.


A parcela dos materiais subiu 1,21%, queda de 0,41 ponto percentual em relação ao mês anterior (1,62%). Considerando o índice de setembro de 2020 (2,55%), a queda foi mais significativa, 1,34 ponto percentual.


Já a parcela da mão de obra, com taxa de 0,40% e três dissídios coletivos observados, apresentou alta de 0,32 ponto percentual frente ao índice de agosto (0,08%). Frente a setembro de 2020 (0,20%), houve alta de 0,20 ponto percentual.


No final do terceiro trimestre, os acumulados no ano são 23,51% (materiais) e 5,75% (mão de obra), sendo que em doze meses ficaram em 35,89% (materiais) e 6,25% (mão de obra), respectivamente.


Região Centro Oeste registra maior variação mensal


A Região Centro-Oeste, com alta observada na parcela dos materiais em todos os estados, e acordo coletivo observado em Goiás, ficou com a maior variação regional em setembro, 2,03%.


As demais regiões apresentaram os seguintes resultados: 1,76% (Norte), 0,55% (Nordeste), 0,58% (Sudeste), e 1,15% (Sul).


Os custos regionais, por metro quadrado, foram: R$ 1.438,32 (Norte); R$ 1.386,06 (Nordeste); R$ 1.535,22 (Sudeste); R$ 1.565,49 (Sul) e R$ 1.452,91 (Centro-Oeste).


Goiás apresenta a maior alta


Com alta na parcela dos materiais e dissídio coletivo registrado nas categorias profissionais, Goiás foi o estado que apresentou a maior variação mensal, 3,13%, seguido pelo Amazonas (3,11%), também sob impacto de reajuste na mão de obra.


O Sinapi, criado em 1969, tem como objetivo a produção de informações de custos e índices de forma sistematizada e com abrangência nacional, visando a elaboração e avaliação de orçamentos, como também acompanhamento de custos.