Buscar

Em visita em MT, ministra da Agricultura diz que está negociando com a China para retomar exportação

Tereza Cristina disse que enviou uma carta à China para tentar marcar um encontro pessoalmente para discutir o assunto.


Por G1 MT

29/10/2021


Foto: Assessoria Mapa


A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, disse durante visita em Sorriso, no norte do estado, nesta quinta-feira (28), que está negociando com a China para tentar retomar a exportação da carne bovina, suspensa desde o dia 4 de setembro, após dois casos atípicos de vaca louca terem sido notificados em Minas Gerais e Mato Grosso (saiba o que é a doença aqui).


Segundo ela, nesta semana, o governo federal enviou uma carta à embaixada do Brasil na China para tentar marcar um encontro pessoalmente para discutir o assunto. "Tem uma série de documentos, dificuldades da língua, fuso horário, mas as negociações estão encaminhando. Mandamos o último pedido de informações ontem (27) para tentar atender todas as perguntas e indagações que eles vêm fazendo a respeito dos animais que tiveram os diagnósticos confirmados", disse.

Tereza Cristina afirmou que agora aguarda o retorno da China. "Esperamos que a resposta seja positiva".


Suspensão da carne

A suspensão atendeu a um protocolo sanitário entre os dois países e a decisão de retomada depende da China, que ainda mantém o veto.


Oficialmente, o Brasil deixou de vender carne bovina para o país asiático no dia 4 de setembro. Apesar disso, frigoríficos nacionais chegaram a embarcar o produto para o país depois desta data.


Organização Mundial de Saúde Animal: casos de vaca louca no Brasil não oferecem risco.


Estima-se que o Brasil tenha enviado cerca de 112 mil toneladas de carne para a China, que, ou estão a caminho, ou já chegaram no país, mas que estão paradas nos portos chineses, à espera de liberação.


Casos de vaca louca


O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) confirmou em setembro a suspeita de casos da 'vaca louca' em frigoríficos de Belo Horizonte (MG) e de Nova Canaã do Norte, a 696 km de Cuiabá.


Os dois casos confirmados foram detectados em vacas de descarte que apresentavam idade avançada. A instituição afirmou que os casos não representam risco para a cadeia de produção bovina do país.


De acordo com o Sindicato das Indústrias de Frigoríficos de Mato Grosso (Sindifrigo), com a conclusão dos casos como 'atípicos', o Brasil está apto para exportar. No entanto, a decisão de retomada é da China.


Após a confirmação da Organização Mundial de Saúde Animal (OMSA) de dois casos da vaca louca, o mercado das exportações de carne bovina têm registrado queda na cotação do boi gordo.


Em setembro, a arroba do boi registrou queda de 4,57% em Mato Grosso, de acordo com o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea).


No município de Sorriso, o produto era cotado acima de R$ 300, e após a confirmação dos casos, passou para R$ 276,81, representando uma queda de 8%.