Buscar

Estão chegando as rodovias inteligentes?


Participei de um importante fórum em Brasília, reunindo entidades como nossa CNT, ANTT, especialistas, membros respeitados do governo federal, entre outros convidados de grande relevância, para discutir a evolução das nossas rodovias.


E quanta coisa incrível e esperada por quem pega as estradas foi apresentada! Estradas 100% conectadas e monitoradas, facilitando por exemplo, o socorro de quem tiver algum imprevisto, o aperfeiçoamento dos contratos das concessionárias de rodovias, o pagamento de pedágio de acordo com a quilometragem rodada, o desconto em pedágio para quem usa uma rodovia com muita frequência, a possibilidade do motorista receber informações online enquanto dirige sobre tudo o que está acontecendo na estrada, entre outras maravilhas da tecnologia que, com certeza, vão tornar nossas viagens mais seguras e eficientes e, claro, diminuir as despesas dos transportadores de cargas.

É bom ver esses e outros temas sendo discutidos e que algumas dessas evoluções estão prestes a serem implantadas. Também é um alento ver governo e entidades sensíveis a esses temas, buscando soluções para melhorar nossas sofridas estradas.


Entretanto ainda vai levar tempo para termos rodovias de fato inteligentes, oferecendo cada vez mais serviços de qualidade, conforto e segurança para os motoristas. Temos muito chão para rodar antes de chegarmos nesse estágio e até melhorias consideradas básicas para fazer nas estradas: pavimentação de qualidade, recuperação de rodovias em estado de quase destruição total, sinalização eficiente, são apenas alguns itens que precisam ser resolvidos e não podem ser esquecidos enquanto pensamos em tecnologia.

Acredito que a recuperação e manutenção das rodovias é tão importante quanto a implantação de sistemas de última geração para apoiar os viajantes. Que estejamos totalmente conectados, que tenhamos informações todo o tempo para nos ajudar na viagem, que possamos pagar pedágios mais justos mas também, que possamos rodar sem riscos de cair em algum buraco, sem sermos assaltados, sem sofrer com as imperfeições ou falta de sinalização e suporte das autoridades em nossas estradas por esse Brasil afora.