Buscar

Falta de chuva preocupa agricultores e ameaça produção de grãos em Goiás

Presidente de cooperativa alerta para incertezas climáticas e pede cautela na hora de plantar


Por Jornal Opção

11/10/2021


Foto: Fernando Leite/Jornal Opção


A falta de chuva sobre áreas de cultivo de soja e milho tem preocupado os agricultores em Goiás. Regiões produtoras, como Rio Verde, já deveriam ter começado a semear no segundo semestre, no entanto a instabilidade climática adiou as plantações. O plantio da safrinha, previsto para 2022, também sofrerá atraso.


O presidente da Cooperativa Agroindustrial dos Produtores Rurais do Sudoeste Goiano, Antônio Chavaglia, fez alerta aos produtores, é preciso manter cautela e aguardar melhores condições de semear. “Não vale a pena correr riscos e plantar apenas com a expectativa de chuvas que poderão acontecer. É um risco muito grande”, apontou o presidente.


O Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Universidade de São Paulo, emitiu boletim com alerta para a lentidão da semeadura da soja por falta de chuva em setembro. Apesar disso, o pesquisador Lucílio Alves disse ser possível que as plantações vigorarem normalmente, se a chuva voltar a cair com frequência nas lavouras. “Se a chuva normalizar, não dá para dizer que teremos impacto negativo agora. Ainda há tempo de semeadura em período adequado”, afirmou o especialista.


De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o volume de chuva deve começar a aumentar na região Centro-Oeste do País a partir desta semana. Em Rio Verde, devem começar pancadas de chuva isoladas, mas sem previsão de regularidade e volume consistente.