Buscar

Greve dos caminhoneiros: Ministro alerta sobre inflação e desabastecimento

Tarcísio Freitas pediu "serenidade" à categoria e alertou para o risco de alta da inflação caso haja desabastecimento de produtos


Por Valor Econômico

09/09/2021


Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Em meio ao avanço da greve de caminhoneiros pelo país, que ganhou corpo no fim da noite desta quarta-feira, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, pediu "serenidade" à categoria e alertou para o risco de alta da inflação caso haja desabastecimento de produtos.


Em seu último boletim, que relata a situação das estradas federais às 22h30, o ministério informou a existência de "pontos de concentração" dos grevistas em 16 Estados -- eram 14 no boletim das 20h30.

As ocorrências foram registradas em Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná, Espírito Santo, Mato Grosso, Goiás, Bahia, Minas Gerais, Tocantins, Rio de Janeiro, Rondônia. Maranhão, Roraima, São Paulo, Mato Grosso do Sul e Pará. A região Sul teve 55% das ocorrências e uma interdição de pista, em São Paulo, foi notificada.


"Essa paralisação iria agravar efeitos, na economia, de inflação. Nós já temos hoje um efeito nos preços dos produtos, em função da pandemia. Uma paralisação vai trazer desabastecimento, acabar impactando os mais pobres, os mais vulneráveis, prejudicando a população", afirmou Tarcísio em um vídeo enviado a caminhoneiros.

No vídeo, ele confirma a autenticidade do áudio gravado pelo presidente Jair Bolsonaro. "A gente sabe que há uma preocupação com a melhoria da situação do país, com a resolução de problemas graves, mas a gente não pode tentar resolver um problema e criar outro", diz Tarcísio.


O ministro, repetindo as palavras de Bolsonaro, afirmou que o diálogo deve prevalecer. "Vamos confiar nesta solução, no diálogo e vamos em frente".