Buscar

Medidas de segurança no transporte de gás crescem no último ano

Transportadoras de cargas perigosas estão mais atentos às medidas necessárias de suas atividades


Por Sintropar

22/09/2021



O transporte de cilindro de gases está na categoria de cargas perigosas, exigindo uma série de cuidados e obrigatoriedades para que as transportadoras possam exercer sua atividade. Os produtos de natureza perigosa são todos aqueles de origem química, biológica ou radiológica, que são nocivos ao meio ambiente, à população e aos seus bens, de acordo com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), órgão responsável pela infraestrutura de transportes no país.


Para este tipo de carga ser transportada, as empresas e os motoristas necessitam de algumas certificações usuais, e outras mais específicas, pois além do Registro Nacional de Transporte Rodoviários de Cargas (RNTRC), é obrigatório outros documentos para que os condutores estejam aptos à atividade, como o curso de Movimentação de Produtos Perigosos (MOPP), que tem como finalidade aperfeiçoar, instruir, qualificar e atualizar os motoristas, habilitando-os à condução dos veículos deste segmento.


Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Álcalis, Cloro e Derivados (Abiclor), o número de acidentes a cada 10.000 viagens não ultrapassou 0,30 em 2017. Isso ocorre, principalmente, devido à crescente qualificação do setor e do trabalho desenvolvido por seus profissionais nas últimas décadas, somado a diversos cuidados exigidos pelo transporte de produtos perigosos.


Segundo Antonio Ruyz, CEO da TransRuyz, empresa associada ao Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logísticas do Oeste do Paraná (SINTROPAR), o transporte de oxigênio, por se tratar de uma carga muito delicada, requer atenção especial para o seu manuseio. “Os cilindros requerem muito cuidado, manejo e segurança, porque tem muita pressão dentro e isso pode, se não houver atenção, gerar toda uma situação de problemas maiores”, afirma.


Além de perigoso às pessoas, os cilindros de gases podem prejudicar o meio ambiente caso não sejam bem operados, pois mesmo vazios, ainda há a compressão de ar dentro, podendo gerar vazamentos, ocasionando a contaminação de solos e rios, ameaçando também a vida dos animais silvestres que estiverem no caminho. Tais recipientes não podem ser transportados em espaços fechados ou deitados, assim como devem permanecer em locais que a temperatura não se altere, problema este que pode acabar ocasionando em explosões do produto.


Por se tratar de uma carga de grande importância para o país, a TransRuyz investe na qualificação de seus funcionários, apostando em cursos e certificados para que haja a melhor condução do produto, promovendo o comércio na região oeste do Paraná. “Aqui na transportadora, nós temos treinamentos específicos para cada operação. Por exemplo, no transporte de cilindros uma vez por ano chamamos um instrutor para realizar o treinamento, que visa auxiliar no manuseio, boas práticas e saber como proceder em casos de emergência”, aponta Ruyz.


Durante o epicentro da pandemia, a transportadora foi muito importante para o oeste e sudoeste do estado, pois, assim como em diversas localidades, os hospitais da região necessitavam de reabastecimento contínuo e em grande escala, de modo que fosse possível atender as demandas causadas pelos problemas respiratórios da covid-19.


“Em um panorama geral, um paciente entubado consome aproximadamente um cilindro de 10m³ a cada 6 horas. Portanto, é vital uma logística em sintonia para que não falte cilindros às pessoas, como infelizmente conseguimos observar nesse período tão triste para a humanidade”, conclui Ruyz.

A TransRuyz se preocupa em realizar o transporte de gases de maneira segura e eficaz, de modo que, além dos cilindros de oxigênio hospitalar, a companhia é encarregada do transporte de mais de 70 tipos de gases, como de linhas industriais, alimentares e de bebidas.