Buscar

Dependência de importação de peças favorece vendas de caminhões usados

Fonte: Transporte Mundial

14/04/2022


Foto: Divulgação / Transporte Mundial


A dependência do Brasil por produções no exterior mostra o lado do pouco desenvolvimento da indústria brasileira. As dificuldades na compra de componentes produzidos em outros países e da logística internacional – iniciada com a pandemia e ampliada guerra iniciada pela Rússia – favorece o mercado de caminhões usados. Cerca de 403 mil veículos de carga foram vendidos em 2021. O número representa alta de 18,61% em relação aos de 2020. Os dados são da Fenauto, associação que representa os lojistas do País. Para 2022, a previsão é que o crescimento das vendas de caminhões usados continue, no mínimo, com acréscimo de 8%.


A Daimler India Commercial Vehicles (grupo que tem a marca Mercedes-Benz) está apenas 15 meses no mercado indiano e já conquistou o prêmio Apollo CV de 2013 naquele país, sendo reconhecido como Fabricante de Veículos Comerciais do Ano. Além desse reconhecimento, a Daimler recebeu mais duas premiações, conferidas a caminhões da marca BharatBenz. O modelo 1217 C foi o destaque na categoria Inovação em Veículos Comerciais do Ano de 2013. Por sua vez, o BharatBenz 3128 C levou o prêmio principal na categoria Transportador de Carga acima de 25 t.


Essa premiação é realizada, desde 2010, pela mais conhecida revista indiana especializada em veículos comerciais, a “CV”. No ano passado, somente três meses após seu lançamento no mercado, a BharatBenz já havia conquistado dois prêmios nas categorias de Melhor Veículo Comercial e Melhor Caminhão de Tração Rígida.


A Daimler lançou seus primeiros modelos BharatBenz no mercado em setembro de 2012. Desde então, gradualmente, foi lançando suas linhas de produtos, que incluem basculantes e caminhões para segmentos que vão de 9 a 49 toneladas. Outros quatro modelos serão lançados em breve, complementando o portfólio existente.


Desde maio de 2013, a Daimler India também vem produzindo caminhões Fuso em sua fábrica de Chennai, na Índia. Estes caminhões são destinados a exportações para os mercados emergentes da Ásia e da África.