Buscar

Ensaio de Cultivares em Rede de soja chega ao Mato Grosso

Fonte: O Presente Rural

27/04/2022



Foto: Divulgação/O Presente Rural


Projeto desenvolvido pela Fundação Pró-Sementes visa orientar o produtor rural a buscar a cultivar mais adequada para a sua região.


A Fundação Pró-Sementes divulga em maio o resultado dos Ensaios de Cultivares em Rede (ECR®) de soja conduzidos em Mato Grosso em parceria com a Associação dos Produtores de Sementes de Mato Grosso (Aprosmat) e Senar/MT, patrocinadores deste projeto. O principal objetivo deste trabalho de pesquisa é disponibilizar aos agricultores informações para tomada de decisão de quais cultivares e tecnologias adotar em suas propriedades visto que a rede de ensaios abrange as maiores regiões sojícolas do Estado.


O ECR contribui para toda a cadeia produtiva, da empresa obtentora de cultivares e biotecnologias, produtores de sementes, agricultores e cerealistas, sendo conduzido isento de qualquer viés comercial. A confiabilidade no resultado do trabalho é um quesito muito importante e muito valorizado pelas instituições parceiras, conforme informa o diretor da Fundação, Alexandre Levien. Segundo ele, esse trabalho teve início em 2008 no Rio Grande do Sul, em parceria com o Sistema Farsul/Senar-RS, agora também com a Bayer. “O ECR se destaca por levar informações importantes aos produtores, aos formadores de opinião, ao pessoal da assistência técnica e aos consultores, nas indicações para os seus clientes”, explica.


A gerente de Pesquisa e Desenvolvimento da Fundação Pró-Sementes, Kassiana Kehl, salienta que o ECR de soja será realizado em cinco municípios mato-grossenses, considerados regiões estratégicas para a cultura. São eles: Rondonópolis, Primavera do Leste, Campo Verde, Sorriso e Sapezal. “O trabalho consiste em orientar os produtores rurais e levar informações sobre o desempenho de cultivares já comerciais, cultivares lançamento e novas biotecnologias indicadas para o estado”, coloca a especialista.

O plantio dos ensaios, de acordo com Kassiana, ocorreu nos meses de outubro e novembro, conduzido em duas épocas, com intervalo de 15 dias entre uma e outra. “Foram testadas 40 cultivares de soja, seguindo a metodologia científica. E, além de produtividade, foram avaliados dias de emergência ao florescimento, dias de emergência à maturação, estande populacional, reação ao acamamento, altura de planta e reação à mancha alvo,” observa.


Neste ano o projeto contou com o apoio da infraestrutura do Instituto Mato-Grossense do Algodão (IMA) e para a próxima safra a gerente da Fundação Pró-Sementes afirma que o objetivo é expandir para outros cinco municípios de Mato Grosso.