Buscar

Setor de serviços cresce 14,8% e MT apresenta melhor recuperação do país

Logística demandada pelo agronegócio é tida como um dos fatores que contribuiu para o avanço


Por PnbOnline

16/04/2021



O setor de serviços de Mato Grosso teve o melhor recuperação do país no mês de fevereiro, conforme a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), divulgada hoje (15.04) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O volume de serviços cresceu 14,8% no estado em comparação ao mês anterior, quando havia sofrido uma queda de 2,5%. O avanço é bastante superior à média nacional que foi de apenas 2,7%.

Além de Mato Grosso, outras 17 das 27 Unidades da Federação tiveram expansão no volume de serviços em fevereiro de 2021, em comparação a janeiro. Foram elas Tocantins (11,5%), Roraima (9,1%), Goiás (6,2%), São Paulo (4,3%) e Santa Catarina (3,9%). Em comparação ao mesmo mês do ano anterior, Mato Grosso também figura no grupo das unidades que conseguiram resultados positivos, com 6,3% de crescimento. Outros resultados relevantes vieram de Minas Gerais (6,2%), Santa Catarina (9,9%) e Amazonas (10,7%).

No caso de Mato Grosso, o agronegócio, carro-chefe da economia do estado, é tido como um setores que vem ajudando no crescimento do volume de serviços. Por não ter sido afetado pela pandemia, a agropecuária continua demandando serviços de logística. É o que explica Rodrigo Lobo, analista gerente da pesquisa.


"Nesse segmento vêm se destacando as empresas que prestam serviço de logística, que já vinha tendo alta expressiva por conta do aumento das exportações de petróleo e do agronegócio. Assim, o segmento de armazenagem, serviços auxiliares aos transportes e correio (4,4%) cresceu de forma significativa desde junho de 2020 e neste mês de fevereiro atingiu seu ponto mais alto da série (iniciada em janeiro de 2011)”, avaliou.

Nesse sentido, dentro dessa atividade, o transporte terrestre (5,5%) vem também seguindo trajetória ascendente importante, principalmente devido ao aumento da demanda pelo transporte rodoviário de cargas. Conforme o analista, no âmbito nacional, nos serviços de informação e comunicação (0,1%), o segmento de tecnologia da Informação (1,7%) foi outro que passou a ter grande notabilidade durante a pandemia e, em fevereiro de 2021, atingiu o mais alto patamar na série histórica do IBGE.