Buscar

Vendas antecipadas de soja no Mato Grosso aceleram

Por O Petróleo

17/06/2021



As vendas antecipadas da soja 2021-22 em Mato Grosso, o principal estado produtor de grãos e oleaginosas do Brasil, alcançaram 32,5pc neste mês, um aumento de 4,8pp em relação ao mês passado.


As vendas da safra 2021-22 de soja em junho estão 11,1pp acima da média dos últimos cinco anos, mas 9pp abaixo das vendas da safra 2020-21 no mesmo período no ano passado, de acordo com o Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea).

Para o ciclo 2020-21, cuja colheita foi obtida em abril , as vendas atingiram 88,3pc em junho, antes de 92,7pc no mesmo período do ano passado, mas aumentaram 2,8pp em relação à média dos últimos cinco anos.


Para o milho, 23,3pc da produção esperada para a safra 2021-22 já foi comercializada em Mato Grosso, segundo o Imea. O valor caiu 11,8pp em relação à temporada passada.

As vendas antecipadas de milho 2020-21 alcançaram 77,3pc, um aumento em relação à média dos últimos cinco anos de 73,5pc, mas uma queda de 7,8pp em relação a 2019-20.


A SOJA


A soja hoje é considerada uma espécie de commodity. Ela pode ser negociada na Bolsa de Valores, sob a modalidade de contratos de mercado futuro.


Para fazer o investimento no grão, há o comprometimento com um contrato, que é medido em sacas. O custo da negociação depende de dois fatores principais: o valor do dólar e o preço por saca. Com variação diária, há grande volatilidade e boas oportunidades para os traders.


As vendas antecipadas da soja 2021-22 em Mato Grosso, o principal estado produtor de grãos e oleaginosas do Brasil, alcançaram 32,5pc neste mês, um aumento de 4,8pp em relação ao mês passado.


As vendas da safra 2021-22 de soja em junho estão 11,1pp acima da média dos últimos cinco anos, mas 9pp abaixo das vendas da safra 2020-21 no mesmo período no ano passado, de acordo com o Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea).


Para o ciclo 2020-21, cuja colheita foi obtida em abril , as vendas atingiram 88,3pc em junho, antes de 92,7pc no mesmo período do ano passado, mas aumentaram 2,8pp em relação à média dos últimos cinco anos.


Para o milho, 23,3pc da produção esperada para a safra 2021-22 já foi comercializada em Mato Grosso, segundo o Imea. O valor caiu 11,8pp em relação à temporada passada.


As vendas antecipadas de milho 2020-21 alcançaram 77,3pc, um aumento em relação à média dos últimos cinco anos de 73,5pc, mas uma queda de 7,8pp em relação a 2019-20.


A SOJA


A soja hoje é considerada uma espécie de commodity. Ela pode ser negociada na Bolsa de Valores, sob a modalidade de contratos de mercado futuro.


Para fazer o investimento no grão, há o comprometimento com um contrato, que é medido em sacas. O custo da negociação depende de dois fatores principais: o valor do dólar e o preço por saca. Com variação diária, há grande volatilidade e boas oportunidades para os traders.


Para entender melhor, a cotação da soja hoje é de R$ 159,24 (Cotação feita em 16/06/21 às 10:24). No mesmo período, o dólar comercial vale R$ 5,0429.


O investimento de um contrato de soja é dado por:

Valor por contrato = R$ 159,24 (saca) x 450 sacas = R$ 71.658,00 (Cotação feita em 16/06/21 às 10:24 – Dólar cotado em R$ 5,0429)


Agora, digamos que, para um produtor não ter prejuízo, ele precisa vender a saca por, até, 10% abaixo dessa cotação da soja hoje. Desse jeito, o valor mínimo seria de R$ 143,32, por saca da soja, de modo a obter lucro. O produtor pode então comprar contratos futuros de soja, por exemplo por R$ 7,96, que lhe asseguram o preço de venda em R$ 151,28.


Se o preço da soja cair 20%, em relação à cotação atual, o valor final seria de R$ 127,39. Então, o produtor tem o direito de executar o seus contratos e liquidar sua commodity pelo custo de R$ 151,28, o que ainda lhe levaria ao ao lucro, pois o preço final de venda seria o preço estabelecido pelo contrato (R$ 151,28) menos o valor do contrato (R$ 7,96), resultando em R$ 143,32.


Caso a soja valorize 30% e chegue a R$ 207,01, o produtor vende por esse valor. Trata-se, portanto, de uma garantia contra as flutuações do mercado conhecida como operação de hedge (“barreira” em inglês).